7 de jul de 2009

Imagem do blog "doce deleite"

Hoje estive vendo a Mila Ramos e fiquei profundamente impressionada com suas palavras sobre a famigerada “farra do boi” de Santa Catarina. Deus do Ceu. São extremos de crueldade com os pobres animais que são tão meigos.

Detive-me pouco no sofrimento, porque minha mente amiga me desviou para lembranças agradáveis. Lembrei-me do nosso pai. Muitos filhos, treze ao todo, impossível que vivêssemos no maior silêncio e harmonia. A gente brigava, claro. Todo irmão briga!

Por muitas vezes nosso pai entrava em casa e nos via no meio de uma “batalha” e nossa mãe chorando. E ele se saia como uma até engraçada:

- Vocês já viram um boi lambendo o bezerro?

Claro que ninguém tinha visto. Então ele completava:

- Cuidem da mãe de vocês, parem de dar preocupação a ela. Se ela morrer, não vai ter quem passe a mão na cabeça de vocês!

Tão bom pai ele era que “lambeu” as crias até o fim. Mas gostava de deixar só com nossa mãe esse crédito.

Regina Helena

3 comentários:

  1. "Nunca teremos a força necessária para mudar o que está errado enquanto pender de nossos lábios a baba elástica e bovina da humildade". Nelson Rodrigues.
    Seria bom se o boi tivesse consciência de sua força e um mínimo da inteligência animalesca do homem para que ele (boi) fizesse uma farra do homem.

    ResponderExcluir
  2. No último dia das Mães, mamãe, 87 anos, prestou uma linda homenagem às mães, onde terminava lembrando as mães animais e suas crias. Isto me lembrou dos versos do poeta João Paraibano:

    O bezerro mamando a calda abana
    a espuma do leite cobre o peito
    cada estaca de cerca tem direito
    ao rosário de flôr da jitirana
    no impulso do vento a chuva espana
    a poeira do palco do verão
    a semente engravida e racha o chão
    descansando dos frutos que germina
    Jesus salva a pobreza Nordestina
    com três dias de chuva no Sertão.

    ResponderExcluir